Escrever sem escrever: literatura e apropriação no século XXI | Leonardo Villa-Forte | Coedição com Ed. PUC-Rio

Código: ECQQ6VZG3
3x de R$ 14,00
R$ 42,00
Comprar Estoque: Disponível
    • 1x de R$ 42,00 sem juros
    • 2x de R$ 21,00 sem juros
    • 3x de R$ 14,00 sem juros
    • 4x de R$ 11,29
    • 5x de R$ 9,16
    • 6x de R$ 7,75
    • 7x de R$ 6,73
    • 8x de R$ 5,98
    • 9x de R$ 5,39
    • 1x de R$ 42,00 sem juros
    • 2x de R$ 21,95
    • 3x de R$ 14,85
    • 4x de R$ 11,30
    • 5x de R$ 9,17
    • 6x de R$ 7,75
    • 7x de R$ 6,74
    • 8x de R$ 5,98
    • 9x de R$ 5,39
  • R$ 42,00 Deposito
  • R$ 42,00 Mercado Pago
  • R$ 42,00 Boleto Bancário
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.
Escrever sem escrever: literatura e apropriação no século XXI
 

Leonardo Villa-Forte

Coedição com a Ed. PUC-Rio
224p.| 2019 | 14 x 21 cm 
ISBN: 978-85-66786-87-3

 

Quando falamos em música falamos em remix e DJ. Quando falamos em audiovisual, falamos em montagem e mash-up. Para a arte contemporânea, o crítico Nicolas Bourriaud forjou o termo “pós-produção”, que aponta a tendência atual de obras que não são criações originais mas reciclagens ou reproposições de obras anteriores ou objetos pré-existentes. Em comum a esses campos e situações, os gestos de apropriação e deslocamento, consagrados pelos ready-mades de Marcel Duchamp e por outros artistas da vanguarda. Entretanto, no ambiente tecnológico contemporâneo, com seus estímulos e ferramentas específicos, a apropriação e o deslocamento adquirem novas facetas. A pergunta da qual esse livro parte é: de que maneira a escrita e a literatura se inserem e participam desse novo contexto? Copiar e colar. Seleção e edição. Gravação e transcrição. Cut-up, apagamento, supressão. Pirataria. Buscas no Google. Plágio, cópia, imitação. Como o ato da citação e a cultura remix dialogam? Em que medida o escritor contemporâneo pode ser pensado como um artista conceitual ou um curador de textos alheios? Quais são as consequências para as práticas de leitura e para a ideia de autoria? A partir das noções de “escrita não-criativa”, de Kenneth Goldsmith, “gênio não-original”, de Marjorie Perloff, e do “Manifesto da literatura sampler”, de Fred Coelho e Mauro Gaspar, Leonardo Villa-Forte estuda obras recentes de escritores, artistas e poetas brasileiros e estrangeiros, para pensar a escrita diante, ou melhor, dentro desse ambiente em transformação.

 

Sobre o autor: Leonardo Villa-Forte é graduado em Psicologia pela UFRJ, com passagem pela Facultad de Filología da Universidad de Salamanca, e é mestre em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Professor do quadro da Pós-Graduação em Letras da Estácio, publicou artigos em revistas acadêmicas como a FronteiraZ e a Scriptorium e colaborou com veículos como as revistas serrote, Pessoa, Palavra e o Blog do IMS. Villa-Forte é autor dos livros de contos O explicador, Agenda e do romance O princípio de ver histórias em todo lugar. Alguns contos e trechos do romance foram traduzidos para publicações e sites em inglês e castelhano. Criou a série de colagens e blog MixLit – O DJ da Literatura, que alavancou a discussão sobre o remix na literatura no país, e o projeto de intervenção urbana Paginário, com mais de cinquenta murais espalhados por Brasil, Portugal e Espanha. Nasceu no Rio de Janeiro em 1985. 

3x de R$ 14,00
R$ 42,00
Comprar Estoque: Disponível
Pague com
  • PagHiper
  • Mercado Pago
  • Depósito Bancário
  • PagSeguro
Selos
  • Site Seguro

© Todos os direitos reservados. 2019